Hipnoterapia Clínica

As técnicas de hipnose constituem-se como um importante recurso para ajudar as pessoas a fazer emergir, progressivamente, na consciência, conteúdos do inconsciente visando, em última instância, a sua libertação, de modo a alcançar uma vida em equilíbrio consigo mesmo, com os outros e com o ecossistema. Neste encontro consigo mesmo e na profundidade do seu ser poderá encontrar os recursos infindáveis que tem ao seu dispor. “Ser o que realmente se é” é o objetivo metafórico da jornada hipnoterapeutica.
A indução hipnótica permite-nos fazer uma viagem até às profundezas de nós mesmos, promovendo o contacto com as partes que precisam de ser curadas - Feridas do inconsciente.



Marque aqui a sua consulta

Alguns mitos e factos

1. Hipnose é causada pelo poder do hipnotizador?

Naturalmente o hipnotizador deve ter o devido conhecimento e a força mental necessária à concentração no momento certo, mas isso não é suficiente, para que o paciente entre em estado de hipnose existe a necessidade de um campo de interação e confiança, denominado “rapport”, além da pessoa “querer” resolver o seu problema.


2. O hipnotizador controla o desejo do paciente?

Nenhum paciente hipnotizado faz aquilo que não faria acordado, ou seja, ele só é capaz de fazer aquilo que considera inofensivo e, mesmo assim, se desejar, todos temos o livre arbítrio.


3. A hipnose é prejudicial à saúde?

Desde que utilizada por profissionais competentes e bem intencionados, a hipnose não causa danos, devendo-se apenas, estar atento para a sua utilização por pessoas inescrupulosas.


4. Pode-se tornar dependente da hipnose?

Na utilização clínica não existe qualquer tipo de dependência na hipnose, exceto se o hipnoterapeuta tiver alguma intenção.


5. A pessoa pode não voltar do transe, ficar presa nele?

Não é possível ficar preso ao transe. O transe profundo leva ao sono denominado terapêutico que, como qualquer sono fisiológico, dura até o momento de acordar que é natural a cada indivíduo.


6. O sono é a hipnose?

A hipnose não é igual ao sono fisiológico de todas as noites. É um estágio anterior ao sono, quando a pessoa está concentrada com certo grau de consciência e podendo responder a comandos. É um relaxamento de forma alerta, denominado estado alterado de consciência, onde o racional fica afastado dando acesso aos conteúdos da memória, ao centro emocional, mecanismos que controlam a vontade, etc.


7. A pessoa fica inconsciente em transe?

Normalmente o hipnotizado mantém o seu estado consciente apenas com a atenção focalizada, no qual o sensor crítico da mente é aberto (racional) ou simplesmente afastado temporariamente permitindo resgatar informações de memória (consciente e inconsciente). Somente desta forma podemos trabalhar os mecanismos terapêuticos indo até os pontos vitais de um problema tanto de ordem física como psíquica. Ao aprofundar o transe pode haver desligamento da atenção vigilante mas apenas no transe profundo ocorre a amnésia total (inconsciente), mas tudo depende do nível de ansiedade em que o paciente conseguiu chegar durante a sessão. Nota-se que a cada sessão, dependendo do terapeuta e da técnica empregada, o aprofundamento do transe é cada vez maior e os níveis de consciência são cada vez menores.


8. Hipnose é terapia?

Embora a hipnose tenha a facilidade de trazer alívio de dores e muita paz interior, o que já serve para curar uma série de angústias e ansiedades, ela é apenas uma ferramenta utilizada no processo terapêutico. A hipnose em si não é uma terapia mas sim um instrumento ou uma ferramenta para se atingir o estado de sono terapêutico, utilizando várias técnicas, que vão do transe lento ao instantâneo.